terça-feira, 31 de outubro de 2023

Tragédia em Itarema: Chacina deixa quatro mortos e eleva índices de crimes no Ceará


Na madrugada desta segunda-feira, 30 de outubro, uma tragédia abalou o município de Itarema, localizado a 210,6 km de Fortaleza, no Ceará. Um grupo armado invadiu uma residência e assassinou quatro pessoas pertencentes à mesma família. Segundo informações levantadas pelo **O Povo**, esse crime é o quarto caso de chacina registrado no estado em 2023, superando o total de três ocorrências identificadas em 2022.

Os homicídios aconteceram na localidade de Enseada dos Patos, no litoral da cidade. Entre as vítimas, uma adolescente de apenas 13 anos, bem como jovens de 17, 20 e 24 anos. Três vítimas foram encontradas mortas deitadas na cama, enquanto o corpo da quarta pessoa vitimada estava no chão da residência. Os criminosos fugiram do local, e a Polícia Civil do Ceará e a Polícia Militar do Estado estão mobilizadas para investigar o caso. A Delegacia Municipal de Itarema está à frente da apuração.

No critério adotado para caracterizar uma ação como chacina, são necessários quatro ou mais homicídios na mesma ocorrência. Considerando esse parâmetro, um balanço feito pelo **O Povo** DOC revelou que o Ceará registrou 26 ocorrências desse porte de janeiro de 2018 a outubro de 2023, resultando na morte de 142 pessoas. O ano de 2018 se destacou com o maior número de casos, totalizando oito chacinas, que resultaram em 62 vítimas.

Neste ano de 2023, já foram registradas quatro chacinas, com um aumento tanto no número de ações quanto no índice de mortes em comparação a 2022, que contabilizou três ocorrências do tipo com 13 vítimas. O recente episódio em Itarema é atribuído a disputas entre organizações criminosas que atuam na região. Segundo uma fonte ligada à cúpula da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), a tragédia pode estar relacionada ao confronto entre a Guardiões do Estado (GDE), Massa e Comando Vermelho pelo controle do território.

O pesquisador Ricardo Moura, do Laboratório de Estudos da Violência (LEV) da Universidade Federal do Ceará (UFC), destaca que essas organizações criminosas costumam surgir em Fortaleza e expandir suas atuações para a Região Metropolitana e o Interior do estado, o que gera uma "efervescência no ritmo dos crimes". Moura alerta para a imprevisibilidade desses conflitos e os riscos que eles representam para pessoas inocentes. "Não há regra, ninguém está protegido. Isso exige uma atenção ainda mais redobrada das autoridades", ressalta o pesquisador.

Essa triste ocorrência em Itarema nos lembra da importância de enfrentar os desafios da violência no estado do Ceará e de garantir a segurança da população.

Esta matéria foi produzida com base em informações do jornal O Povo